quarta-feira, 29 de maio de 2013

«Ir (mandar) para o maneta

Qual a origem da expressão «ir para o maneta»?

[Resposta] «Ir para o maneta» ou, também, «mandar para o maneta» tem a seguinte origem, segundo escreve Orlando Neves, no seu Dicionário de Expressões Correntes (Notícias Editorial, Lisboa):
Loison / O Maneta
«Ao Senhor General de Divisão, Governador do Palácio de St. Cloud e Comandante da Segunda Divisão do Exército, de nome Loison, jamais terá passado pela cabeça que, quase dois séculos depois de ter estado [em Portugal], com o general de Junot, na primeira invasão francesa, a sua memória perduraria no povo português através de uma das mais populares expressões do nosso falar quotidiano: "mandar ou ir para o maneta", com o significado de "dar cabo de alguém ou de alguma coisa; destruir". É que o general Loison perdera um braço em anterior batalha e, enquanto esteve [em Portugal], revelou-se um homem de extrema ferocidade e malvadez, que exercia torturas violentas nos presos e foi responsável por várias mortes.

Thiébault, diz Raul Brandão, afirmou que Loison fora "um homem hábil, mau como um cão". Ficou na imaginação popular e correu em versos, de que ficam alguns exemplos:

"Entre os títeres generais
entrou um génio altivo
que ou era o Diabo vivo
ou tinha os mesmos sinais...

Aos alheios cabedais
lançava-se como seta,                             
namorava branca ou preta,
toda a idade lhe convinha.
Consigo três Emes tinha:
Manhoso, Mau e Maneta."

Ou estas duas quadras:

"Que generais é que devem
morrer ao som da trombeta?
Os três meninos da ordem:
Jinot, Laborde e Maneta.

O Jinot mai-lo Maneta
julgam Portugal já seu:
É do demo que os carregue
e também a quem lho deu."»

A expressão ir para o maneta vem igualmente registada no Dicionário de Expressões Populares Portuguesas, de Guilherme Augusto Simões [que lhe dá o significado de «escangalhar-se, estragar-se; perder-se (no sentido de não ter recuperação)»], e em Novos Dicionários de Expressões Idiomáticas, de António Nogueira Santos («desaparecer; acabar-se; avariar-se; morrer»).
Já Aquilino Ribeiro preferiu atestar a variante mandar para o maneta, como vem no seu Dicionário do Calão: «dar cabo de alguém ou escangalhar alguma coisa.»
Eduardo Nobre (in Novo Calão Português) também optou por mandar para o maneta: «escangalhar qualquer coisa.»

domingo, 19 de maio de 2013

Provérbios Populares

Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades

domingo, 12 de maio de 2013

Mapa de Portugal Insular e Ultramarino

Este gardei-o como recordação desses Tempos



Quem não se recorda dos antigos mapas de parede que existiam nas nossas escolas primárias, tanto o de Portugal como o dos arquipélagos da Madeira e Açores e ainda de todas as províncias ultramarinas, como Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Angola, Moçambique, Índia Portuguesa (Goa, Damão e Diu) e finalmente o longínquo Timor?
Quantos de nós nessa altura não fomos chamados ao quadro 'Mapa' para indicar cidades, capitais, províncias, rios, serras e caminhos de ferro? É certo que à conta de tanta disciplina e método, nessa altura aprendia-se mesmo, pelo que a História e Geografia tinham que estar na ponta da língua, ou seja, de cor-e-salteado, mas por vezes lá surgia a confusão: O rio Limpopo seria de Angola ou Moçambique? E o rio Cunene? E o Kuanza?

Aqui podem ver moedas dessa época, que fazem parte da minha colecção





sexta-feira, 10 de maio de 2013

Sopas de vinho ou de cavalo cansado

Existem alturas em que as pessoas se sentem cansadas e um pouco em baixa de forma.Existem vitaminas à venda no mercado que podem resolver o problema, mas pode também fazer umas sopas de vinho, muito utilizada noutros tempos e que são excelentes para esse efeito.
Basta ter:




Pão ou Broa
açúcar
vinho tinto



Depois de ter esse ingredientes, deite numa malga uma mão cheia de Pão ou broa em pequenas fatias, vinho tinto ate cobrir o Pão e açúcar a gosto. São chamada pelo povo sopas de “cavalo cansado”. E uma óptima sopa para recuperar energias.
Experimente e vai ver que dá força.

"Um conselho depois de tomar esta vitamina deite-se no sofá."


 Existe uma antiga cantiga, anterior aos Pimbas, que diz assim 



Sopas de vinho não embebedam 
Se não há vento nem chuva 
Se as botas não escorregam 
Que diabo é que me empurra?

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Lagostins




E frequente vê-los perto ou dentro da água na Barragem do Terrenho.

Mas  tem cara de poucos amigos,até parece que nos mostram os dentes.

sábado, 4 de maio de 2013

Passeio pela serra do Terrenho 08 2012


video



Clic para ver o inteneràrio