sexta-feira, 13 de maio de 2011

CARREIRA ANOS 60


"A Camioneta da Carreira"

já lá vem à carreira! Era correria desenfreada pela certa da pequenada, para garantir um lugar agarrado à escada da carreira, desde a curva  da Aldeia nova até ao cabo da cerca, mais longe não dava senão depois era um problema para saltar em andamento, às vezes lá rebolávamos um pouco pela estrada fora mas no dia seguinte lá estávamos outra vez .


A camioneta da carreira gerava sempre um frenesim, uma ansiedade, uma expectativa que não deixava ninguém indiferente, o barulho do motor era inconfundivel, ainda vinha no "alto das rasas" e já se sabia que era a carreira, a hora de passagem era às 6 da manhã de Penedono? para Vila Franca e às 7 e meia da tarde no sentido contrário.
Uns esperavam pelos que regressavam após ausências prolongadas, outros pelas notícias, outros pela encomenda, outros pelos  jornais, O século para o sr Diamantino Tavares e outro para o sr. Abel Arrifano,  …
A passagem da carreira servia também para para fazer a divisão da agua do ribeiro do caminho mau, "a partir do dia de São João 24 de Junho" à  passagem das  6 da manhã a agua pertencia aos terrenos do lado de cima da estrada, cabeço e tornadoiro, à passagem das 7 e meia da tarde pertencia aos terrenos do caminho mau.
                            
A camioneta da carreira gerava também a maior das nostalgias e a maior das saudades!... a dos que partiam! Cada um sabe das suas.
A camioneta da carreira sempre foi a nossa “estrada” sem fim, o nosso elo moderno " dessa época"
de ligação ao mundo.




3 comentários:

Jorge Carvalheira disse...

Um doce, em troca da marca da camioneta!

Conterraneo2 disse...

Vendo a coisa de perto, parece uma BEDFORD,se é isso, fico à espera do doce.

José Mateus

Jorge Carvalheira disse...

Já me levaste, malandro!